Está aqui

Comentários efectuados por Ana Duarte

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 9 meses atrás

    Pois é, agradeço-te mesmo, a ti e a tanta gente que tem rezado pela querida Cris e porque as preces de todos têm sido ouvidas! Sim, ainda hoje soube que já mudou para o quarto dela, onde tem andado a fazer exercícios respiratórios e o tamanho do fígado já normalizou, depois de uma fase inicial de vários dias nos cuidados intensivos, retendo o sangue entrava e não saía em igual quantidade. Deus parece ter ouvido as nossas preces e esta boneca tão doce ganhará uma nova vida com mais um pouco de esperança. Mas bom mesmo, era saber, algum dia, que a doença dos pezinhos tinha cura... isso sim, seria o verdadeiro jakpot!!!
    E contigo está tudo bem? Há boas novidades para partilhar?
    Muito obrigada pela tua tamanha simpatia e disponibilidade, és muito querida! As maiores felicidades para ti e para todos os que por aqui acabam por entrar, também, naturalmente! (sorriso rasgado)
    Beijinhos,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 9 meses atrás

    Querido Lírio,
    Muito obrigada pelas tuas palavars e pela oração à minha querida amiga Cris, que estou certa estará imensamente ghrata por todas as orações e pensamentos positivos de toda a gente que se lembrou dela, nas últimas horas. Efectivamente, sabia que a história da querida Cris devia ser partilhada neste espaço de grandes emoções, onde todos se entreajudam e confiam os seus "Q's" mais importantes! infelizmente não tenho mais notícias, senão que esta bonequinha, tinha o estômago dilatado e estava a fazer uns exames, para ver se o normalizava, entretanto. Por enquanto nada mais sei, mas havendo noitícias, seguramente que partilhá-las-ei neste espaço onde todos os corações batem como um só, buscando sempre alguma luz mais forte ao fundo do túnel...
    Beijinhos e votos de uma boa semana para todos!
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "carta para o menino Jesus" à 11 anos 9 meses atrás

    Ana Cristina,
    Apreciei bastante a tua carta aberta e estou certa de que terá sido escutada pelo destinatário certo, quando foi redigida e divulgada e depois de ecoar no espírito de todo aquele que a lê. No entanto, pergunto se não querias encaminhá-la, ainda que anonimamente para a Praça da Alegria, onde tem sido levada a cabo a maior campanha de sempre, em favor da integração dos portadores de quaisquer deficiências, inclusivamente um Amigo meu tem lá ido, de vez em quando, como convidado. Não queres tentar lançar esses dados para o Jorge Gabriel, ou para o Hélder Reis, tão sensíveis a estas causas? Coragem, miúda e envia logo essa carta, o quanto antes, nada tens a perder, creio bem! Tens o meu apoio e total insentivo!
    beijo,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 9 meses atrás

    Minha linda flôr,
    Aquela Amiga de que falei, que me trata por "Querida Ana" foi ontem mesmo operada, para fazer o transplante de fígado tão anseado, a ver se lhe atrasa a doença por mais alguns bons aninhos! Telefonou ao pai e a mim a contar, enquanto calçava os chinelos para se dirigir ao bloco operatório. Dizia gostar muito de mim e quase chorou, senti-o na sua voz. Estava sozinha e o marido ia apanhar o avião para lá ir ter a Pamplona, em seguida. Ainda não tive mais novidades, mas farto-me de pensar nela e rezar para que a operação e a recuperação sejam bem sucedidas e assim possa renascer de novo, com um figado diferente e um coração que já não é seu, também... (pacemaker). Ao alegrar-me por esta queirda Amiga, irmãsinha do coração, não posso deixar de me solidarizar com a pessoa que terá perdido a sua vida e terá contribuído para o prolongar de uma outra vida, com um orgão que era seu... que Deus o/a tenha no eterno descanso e em paz, além de muito grata por se manter vivo um orgão seu, no corpo de um anjo de menina, que tem o sorriso mais lindo e terno do mundo e coragem enorme num corpo tão frágil...
    Senti-me inexplicavelmente atordoada, ontem, sem motivo e ao fim do dia tive esta boa noticia. E ao sair pela manhã, recordo de fazer um pedido a Deus e a um santo homem já falecido há cerca de 163 anos, mas que continua a ajudar muita gente... e não é que esse pedido de se encontrar logo um dador para a minha Amiga foi encontrado? Haja Fé e muita esperança, pois que sem elas nada se consegue!!! Estou muito feliz...
    E com esta experiência vos deixo e grata pelo bem-estar que sinto em estar neste belo jardim. Obrigada Lírio a a todos pela vossa simpatia, carinho e amizade! (sorriso rasgado) Realmente, quem tem um Amigo que seja, esteja ele onde estiver (geograficamente), basta que se encontre no seu coração para nunca se estar sozinho!
    Beijinhos e um dia magnífico para todos,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 9 meses atrás

    Amigo Sérgio,
    O Ser humano é muito complexo, mas cabe a cada um assimilar certas palavras no seu espírito e averiguar a mlhor forma de as pôr em prática, tentando influenciar quem não se tenha dado conta da sua actuação, mas que sempre vai a tempo! Dobrar o aço pode ser tarefa difícil, mas muito valiosa, pois estou certa que resultará no amolecer desse aço, acreditem! Eu consegui fazê-lo com um bom amigo, antigo colega de faculdade de quem todos apontavam defeito, mas era apenas o melhor aluno da turma, que se licenciou com 18 valores. Eu não desisti de me aproximar e isso valeu-me a confiança dele e ainda hoje lhe mostro como sou uma amiga que veio para ficar e não para ir e vir, quando mais precisar. Entre a "cegolândia", como alguém lhe chamava, certa vez, é importante mostrar resistência a certas atitudes e não recear chamar à razão quem conheçamos e saibamos estar a agir de modo contraproducente para a "classe"! O importante é não haver receio da diferença e não cruzar os braços diante daquilo que não se concorda ser o ideal para o bem comum... valeu?
    Abraços,
    Ana

    (sorriso rasgado)

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 9 meses atrás

    Minha flôr,
    Estás bem autorizada a tratar-me por "Querida Ana", depois da minha querida Cris... (sorriso rasgado)
    Gosto imenso, várias vezes tenho dito, de estar entre vocês... porque nos identificamos todos uns com os outros, sejamos cegos ou normovisuais e as palavras que são ditas não caem em saco roto, como tendem a cair no mundo lá fora, por mais que tentemos contribuir para um mundo melhor, verdade?
    Um forte abraço,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Entreajuda e solidariedade" à 11 anos 10 meses atrás

    Querido Lírio,
    Se me permitesm continuarei a lançar o perfume que te dignaste pulverisar o ar que todos respiramos, sejamos cegos ou normovisuais, pois a solidariedade é algo que assenta muito bem na vida de todos e cada um de nós e não deveria assim tanto espaço, como se possa julgar... Efectivamente, o ser humano é um ser eminentemente gregário, aprende a viver em sociedade e cumprir melhor ou pior o seu papel, sem conseguir entender e reconhecer, tantas vezes, o quanto é importante na vida de quem cruza o seu caminho, tornando-se até, autêntico impulso de mudança para vidas alheias. Por isso mesmo, Saint-Exupéry disse "És eternamente responsável por aquilo que cativas" (entenda-se o alcance/ dimensão destas palavras).
    Ouvi dizer, certa vez, que os cegos entre si, ao invés de se unirem e entreajudarem, zelando por um objectivo comum, quase se gladeavam e apunhalavam pelas costas, fosse por um posto de trabalho, fosse porque razão fosse, o que é tristem convenhamos, mas obviamente genberaliso o comentário e felizmente sei que há excepções e não acredito que esta ainda seja a regra, mas enfim... quem me disse isto foi uma cega tardia e recordo o facto para lembrar o quanto é prejudicial para todos vós!
    Caríssimos, entre os normovisuais a selva também é de pedra, há de tudo, mas como é banal, já nem se tende a dar tanta atenção. Porém, no vosso caso, mais em particular, é bom reflectir sobre a importância da solidariedade nas suas múltiplas facetas, para bem desta comunidade que é francamente menor do que a dos normovisuais... Mas do meu ponto de vista, a solidariedade, o altruísmo/ a entreajuda são indubitavelmente uma obrigação a ter em linha de conta em ambas as comunidades, seja no seu próprio seio, seja nao convívio entre ambas as comunidades e entre cada uma dessas e outras comunidades étnicas/ raciais, sexuais, etc... a riqueza e a aprendizagem conferidas pela vivência de tais situações são um ganho a toda a prova, acreditem!!
    Beijinhos,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Avida é uma luta constante!..." à 11 anos 10 meses atrás

    Grande Filipe, sábias palavras!
    O nosso Lírio é bom companheiro, o nosso Lírio é bom companheiro... o nosso Lírio é tão bom companheiro, que em breve se surpreenderá ganhando dinheiro!
    Tranquila, querida flôr... que vais conseguir encontrar o teu momento de sorte. Tens o meu contacto de e-mail, manda-me o teu CV para ver se tenho algum tipo de possibilidade em ajudar, coo tenho feito a outras pessoas, por esta vida fora. Basta entregar o CV em algumas mãos e o destino faz o resto. Não dando em nada, paciência, mas se der sorte em alguma mão por onde possa cair, tanto melhor, verdade? Envia-o e redige nele um último parágrafo com as áreas nas quais tinhas prefeência em trabalhar (fazendo o quê), pode ser? Um amigo meu cego, já teve uma esntrevista em Lisboa e agora aguarda resultados, para breve, a ver se é admitido ou não...
    Beijinhos e boa sorte!
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Amizade" à 11 anos 10 meses atrás

    Menina,
    Só uma das metadinhas do meu coraçáo me trata por "Querida Ana" e essa está em sofrimento, sozinha em Pamplona, a aguardar o transplante de um fígado, que atrase a degeneração da sua doença de Paramiloidose (doença dos pezinhos), que já se faz sentir de várias maneiras...
    Sem te conhecer, sinto haver tanto em comum entre nós, que até parece que oiço a minha própria voz ecoar nos teus e-mails... (sorriso rasgado). Quem me dera que toda, mas toda a gente fosse como nós, que pensasse e agisse assim, não o fazendo porque não quer!!!!!!! Quando leio mensagens em power-point sobre a Saudade de perder Amigos que seguem rumos diferentes com o passar do tempo, aflijo-me pela sensação imaginada que não quero sentir, por ser incrível a dor da perda, em morte, quanto mais em vida!!! Não tem de ser assim, quando há veracidade, pureza e grandeza de sentimentos e o tal laço de amor incondiconal, condescendente e como uma espécie de tutor, orientando o crescimento da amizade, para a fortalecer se souber ser capaz de ultrapassar os maiores obstáculos e crises... Em mim, esse laço existe e não permitire que seja abortado!
    Se morresses no prazo de uma semana, o que farias hoje e nos dias seguintes até chegar o derradeiro dia, que te iria colocar diante do juízo final? Procurarias mudar algo na tua vida, que te tivesse afectado ou afectado a outrem, de algum modo? Serias capaz de pedir perdão e perdoar a alguém, por alguma razão? Até valia a pena pensar... e agir antes desse dia chegar!
    Forte abraço,
    Ana

  • Ana Duarte comentou a entrada "Amizade" à 11 anos 10 meses atrás

    Sidarta,
    Tal como o ser humano, também o cão tem um jeito muito próprio de se exprimir, de lidar com as pessoas com quem convive mais ou menos de perto e com maior ou menor assiduidade, com quem os trata maior carinho ou com total indiferença e pode reagir mal ou ficar simplesmente sem reacção, como que imune à dor física mas dilacerado pela dor interior, diante de quem o trata mal...
    Tal como os humanos, o cão sabe como tratar quem percebe ser mais sensível, frágil e indefeso, sem o rejeitar (antes pelo contrário, ainda se deita aos seus pés ou no seu colo) e é capaz de dar sucessivas mostras de lealdade, fidelidade e amor, mesmo se lhe ralham. Nunca deixa de dar sucessivas mostras de ternura e afeto, dedica-se por inteiro e confia cegamente no seu amigo humano, mesmo quando deixa de receber o que deseja ter e sente fazer-lhe falta. Independentemente das vezes que lhe rosna, pelas razões que só a ele mais afetam, pouco incomodando o seu... fiel humano amigo, sempre retorna ao local onde o deixou ficar só. É a sua forma de o criticar e de lhe voltar a dar a pata, em sinal de arrependimento. Ao humano, apenas cabe respeitá-lo e aceitá-lo de volta, entendido o motivo da sua reclamação (percebamos a razão dela existir, em cada momento... sem o punir para agravar a sua dor, só porque nos cansamos dos seus rosnados ou fartamo-nos de lhe ver a cor dos seus dentes filados. O fiel amigo do seu dono (humano), olha-o nos olhos e em silêncio tenta entender o que lhe absorve o pensamento; lambe-o para o confortar e chora diante dele, se o percebe mergulhado no vácuo da tristeza mais profunda, ou nervoso por algum fantasma interior. Estende-lhe a pata sem pedir nada em troca, mas como que para dizer tão somente ,"estou aqui, contigo!!!" ou então, ousa pedir ao seu Amigo "as estrelas e o luar", porque julga que ele pode dar-lhos se quiser (se estiver para aí virado, isto é, se tiver gosto ou disposição para isso... ou não). Tudo isto sucede também entre as pessoas que julgam conhecer-se bem! Mas no caso dos humanos, vale a pena recordar ser contraproducente reclamar, quando não há lugar a essa entrega reconfortante, por qualquer motivo. Mais vale não insistir tê-la, mas resignar-se a conviver, naturalmente, sem ela ou sem a melhor parte dela, agrade ou não... é preciso aprender! Sejamos sensatos, mesmo que custe de início e caso surja a necessidade de desabafar com alguém que possa compreender o nosso desalento e ajudar a libertar-nos do vazio que se apodera de nós, atormentando o eu interior, o melhor é confiar num amigo de longa data, geralmente de absoluta confiança, por ser totalmente seguro, de contrário, guarde-se no fundo de uma gaveta fechada a cadeado, o desassossego da inquietação movida pelos "porquês" e pelos "como..." do desânimo, da angústia e da incompreensão. Por ser tão muda quanto a morte, essa confidente nunca exporá de modo fiel ou disforme, o que lhe foi confiado em momentos de dor e de fraqueza interior, pela qual todo o ser humano passa, tantas e tantas vezes, seja porque motivos for!
    Se um cão falasse pela voz de um humano, o que diria dos seus lamentos e das suas euforias?
    "Estes tipos devem ser loucos.... daaaaa-se!!!!!" (gargalhadas)
    Abraços,
    Ana

Páginas



21 a 30 de 52