Está aqui

Comentários efectuados por Isabel Lopes

  • Isabel Lopes comentou a entrada "Problemas de Acessibilidade no Ensino Superior" à 11 anos 6 meses atrás

    Olá Ana, coragem tens tu e muita para enfrentar um curso de estatística.
    Eu a partir do 6º ano comecei a perder o comboio da matemática, sempre estudei em Elvas nu ensino regular e acho que os professores não estavam preparados para me ensinar matemática.
    Mas tive muita pena porque eu sempre gostei de cálculo e raciocínio lógico, mas "contas com letras"? Foi aí que me perdi.
    Esse é o problema de estudar no ensino regular, ten as suas vantagens mas também muitas desvantagens, mas isso era assunto para outra discussão.
    Dizer apenas que fico muito horgulhosa e feliz quando alguèm de quem muitas vezes se espera que fique à espera que a vida passe dá passos de gigante para que todos acreditem que podemos chegar aos mesmos objectivos de qualquer pessoa.
    Beijinhos

  • Isabel Lopes comentou a entrada "Problemas de Acessibilidade no Ensino Superior" à 11 anos 6 meses atrás

    Olá Patrícia, também passei pelo fantástico spss mas só na monografia final e fazia parte de um grupo de ilustres entendidas na matéria que me ajudaram a perceber um pouco desse belo programa.
    Quanto à tua indecisão, é realmente difícil aconselhar-te porque tu é que sabes a importância que cada coisa tem para ti. Eu quando andava na secundária também achava que queria entrar para psicologia mas a matemática era precisamente o problema. Decidi entrar para Relações Públicas porque sempre adorei comunicação mas, lá estava a estatística, mas só no primeiro ano e também foi preciso o professor adaptar-se um pouco e fazer um exame oral.
    Quanto à tua vida, acho que só deves pensar em desistir se tiveres uma alternativa de que gostes e que te entusiásme que a vida sem entusiásmo perde a graça.
    Acho que deves pensar bem e se houver um outro curso que tu gostes e em que as dificuldades sejam menores deves ponderar.
    Beijinhos não

  • Isabel Lopes comentou a entrada "Problemas de Acessibilidade no Ensino Superior" à 11 anos 6 meses atrás

    Olá Sofia, Em primeiro lugar quero dar-te o`s parabéns por seres valente, esquece lá isso de desistires, vou-te contar a minha esperiência no ensino superior e vais ver que não tens motivo para desistir.
    Entrei no ensino superior em 1994 com uma boa média e sem utilizar a cuota para deficientes, portanto por direito próprio, só que decidi entrar no curso de Relaçõe~s Públicas e o pior de tudo na Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa.
    Que horror! Que petulância a minha! Tentar frequentar uma escola para meninas bonitas e a cima de tudo perfeitas. Até então aquela linda e perfeita escola constituída apenas por pessoas perfeitas nunca se tinha deparado com tamanho embaraço.
    O que haviam eles de fazer com uma cega que devia estar em casa socegada sem perturbar a perfeição da ESCS?
    A primeira opsão foi sugerirem amavelmente que desistisse do curso logo no primeiro dia e daí para a frente foi uma sucessão de tentativas e entraves para conseguiam o objectivo.
    Não vou contar como foram os anos que lá andei, que felizmente não foram muito, só os necessários, se não não saíamos daqui mas desde me mandarem fazer uma frequência no corredor a darem-me menos um valor que os colegas do meu grupo nos trabalhos só porque não vejo, muito mais coisas aconteceram.
    O facto é que com a ajuda da minha irmã que me ditou muitos apontamentos e de alguns bons colegas, terminei o curso para desgosto da maioria dos professores e principalmente do meu coordenador de curso e dos directores da escola.
    O desgosto foi tal que desde que eu saí da escola passou a ser pré-requisito ter boa visão, não fosse lá aparecer mais um cego!
    Por tudo isto Sofia, dou-te razão quando dizes que para nós a acessibilidade é muito mais difícil e que nos vimos quase sempre sozinhos com as nossas dificuldades, mas em primeiro lugar tu és forte e determinada o suficiente para lutares pelos teus objectivos e para além disso existe na tua faculdade a vontade de te ajudar.
    Aproveita e não desistas vais ver no final o gozo que te vai dar.
    Beijinhos

  • Isabel Lopes comentou a entrada "descriminação... entre nós!" à 11 anos 8 meses atrás

    Olá eu já sou mais velhinha já levei dessas e muitas outras.
    Quando passei para o 7º ano também fui rejeitada pela turma, coisa que pensei que só me tivesse acontecido a mim, custou horrores, mas aprendi e cresci muito.
    Quando cheguei à faculdade os professores iam"tendo uma coisa", até me sugeriram que desistisse do curso, não desisti mas só eu sei o que me custou, o que tive que passar para fazer a licenciatura em Comunicação Empresarial na Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa. Escola que apartir de então tem como pré requisito boa visão.
    Depois dessas outras, o trabalho, a rejeição de alguns namorados por pressão dos amigos e família etc.
    Se algum dia fui sonhadora já não me lembro, agora é uma das coisas que mais lamento e que não consigo mudar é que já não consigo sonhar, não consigo mesmo!
    Por isso apreciu muito quem tem essa capacidade e peço a todos os sonhadores que não desistam de sonhar isso vai-vos levar longe de certeza.
    Sonhem e lutem sempre por aquilo em que acreditam "o sonho faz o mundo avançar".
    Beijinhos

  • Isabel Lopes comentou a entrada "o amor impossível " à 11 anos 10 meses atrás

    Leonardo, não o conheço mas penso sinceramente que o preconceito vem de dentro de si. Gostava de lhe dizer apenas uma coisa: Se para si a esposa é aquela mulher que cosinha, limpa, lava e passa a roupa, deixe-me lembrar-lhe uma coisa: Isso é uma empregada doméstica e com essas não se casa, paga-se no fim do mès, afinal elas estão a trabalhar.
    Espero do fundo do coração que um dia encontre alguém que o ame(b mesmo sendo cego) e que você ame de verdade para entender que isso é puro preconceito.
    Saiba que sou cega total tenho um namorado normovisual que felizmente não pensa como o Leonardo e que me aceita tal e qual eu sou.
    Talvez você um dia tenha a mesma sorte
    Felicidades

  • Isabel Lopes comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 1 mês atrás

    Luís lamento não ter s sua clareza de ideias nem a sua capacidade de escrita, mas quero agradecer-lhe do fundo do coração o fantástico texto que me dirigiu. Não imagina o bem que me faz falar com pessoas que estão longe, não têm que agradar a uma das partes deste conflito, a distância dá descernimento e é disso que eu preciso. Todas as questões por si levantadas são muito pertinentes e apesar de eu ser algo inquieta, anciosa, já pensei em todas elas. Quanto ao motivo do namoro, eu acho que é o correcto o Bruno é muito sensível e mesmo antes de namorarmos eu já o considerava assim, acho que ele me admira e me ama como eu sou. Por vezes tenho mais medo de ser eu a não aceitar por completo a vida dele que o contrário, mas depois penso "não, nós adoramos estar juntos, partilhamos tudo, vai correr bem". Mas também sei que o amor nos tira a capacidade de pensar e de analisar as coisas friamente e com realismo, por isso mais uma vez agradeço os seus sábios concelhos, vou tentar segui-los e vou dando notícias.
    Obrigada

  • Isabel Lopes comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 1 mês atrás

    Olá Luís, fiquei encantada com as suas palavras, revelam grande sabedoria e muita experiência nestas matérias. Eu tenho sentido e passado por muito do que falou, muitas vezes por minha culpa, porqe às vezes me deixei superprotejer. Mas a minha família pensa e sente tudo aquilo qe referiu e agora que tenho tentado voar criticam. É que logo calhou apelar o preconceito deles, logo calhou ao fim de 33 anos sozinha, e isso todos achavam normal, afinal é normal que ninguém queira casar com uma cega, logo calhou que quem quer é um rapaz mais novo, qe horror! Tem sido uma luta grande, mas acho que vai dando os seus frutos. Obrigada pelas suas sábias palavras é de opiniões experientes e extructuradas como a sua que eu preciso.

  • Isabel Lopes comentou a entrada "As Coisas Que Fazem Falta" à 12 anos 3 meses atrás

    Olá Ana. Este é um tema que me diz muito porque ao longo da minha vida fui-me sempre debatendo ou melhor foram-me sempre confrontando com a questão, Escolas Normal ou Escola Especial?
    Começando do inìcio, nasci e vivi em Elvas, Alentejo até aos 18 anos por opção.

    Essa opção começou a ser posta em causa por algumas pessoas junto da minha família. Quando tinha 12 anos foi-me proposto a mim e à minha família que eu fosse para Lisboa para uma dessas escolas para cegos

    Na altura nem eles nem eu achámos que isso fosse necessário nem conveniente. Desde muito pequena sempre achei que o meu lugar e por conseguinte o lugar dos cegos ou outras pessoas com deficiência é no mundo real, com uma vida real. Com amigos que nos aceitam e que nos regeitam, com comentários menos próprios nas ruas, mas que nos fortalecem a nós e ajudam o mundo a acostumar-se à falta de perfeição que os ditos normais idializam.

    Aos 18 anos fui para Lisboa, mais uma vez por opção para ingressar no ensino superior, outra grande luta. A minha escola "Escola Superior de Comunicação Social" não estava preparada nem fez questão de estar para receber pessoas com deficiência. Não por questõesfísicas mas por questões culturais, aí sim queriam um lugar perfeito só com pessoas perfeitas, ainda mais no curso de Relações Públicas, mas isso fica para outra ocasião.

    Relativamente às escolas, sempre frequentei o ensino normal e não me arrependi, embora tenham falhado algums coisas no meu apoio, tais como as aulas de mobilidade com bengala e o ensino da assinatura, coisas que até hoje lamento e que fui tentando resolver como poude.

    Assim, considero que os 2 tipos de ensino têm vantagens, mas penso que nada supera o convívio com a família e o mundo real, ainda mais para quem vive longe de lisboa e teria que fazer toda a sua vida longe da família e do seu meio.

    Era e

  • Isabel Lopes comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 3 meses atrás

    Cara Ana, quero agradecer-lhe muito as palavras que me dedicou, são sábias e verdadeiras, o pior é quando a força não parte de nós, quando somos os primeiros a duvidar de nó´s, mas depois de partilhar aqui um pouco da minha vida tenho que admitir que me sinto mais forte e só por isso obrigada a todos os que me têm apoiado.
    Eu prometo aqui perante tanta gente que visita este blog que vou tentar ser forte, enfrentar a fammília e defender aquilo em que acredito, não posso passar a vida como uma pena que o vento leva para onde está virado.
    Obrigada a todos.

  • Isabel Lopes comentou a entrada "Desabafar" à 12 anos 7 meses atrás

    Ana eu também sou cega e também já passei e ainda passo por situações muito parecidas. às vezes acho que as mentalidades andam para trás e não para a frente, mas tu vais aprender com o tempo a valorizar mais as tuas coisas boas do que as más que te apontam.

    Eu sei que esta devia ser uma mensagem encorajadora, mas pelo menos no meu caso, ao longo da vida encontrei muita gente que pensa assim e que não deixa evoluir. Tu tens é que seguir, não desistir nunca, chora, grita, refila, impõim-te, mas não deixes que pessoas que não são melhores que tu te amarguem a vida.

    Muitos beijinhos